Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life of a Wonderer

Life of a Wonderer

Comer com consciência: Parte um.

2018-01-21 10.03.49 1-01.jpeg

 

Há algum tempo que tenho pensado muito no tema da alimentação - mais propriamente na alimentação que a sociedade nos "ensina" a ter, e na nossa cegueira ao consumirmos tudo e mais alguma coisa daquilo que está nas prateleiras dos hipermercados sem grandes problemas. De um modo geral, não pensamos muito naquilo que estamos a comer - nos nutrientes que estamos (ou não) a ingerir, na quantidade de substâncias que estamos a fornecer ao nosso corpo e no impacto que elas têm em nós, positivo ou negativo, a curto ou longo prazo. Acho que a maioria de nós não tem uma alimentação consciente e ponderada, não nos interessa muito aquilo que estamos a comer, desde que nos saiba bem e não nos faça sentir mal não há problema. É claro que estou a falar de um modo bastante generalizado, mas não deixa de ser, de facto, a regra.

 

Este tema era algo que já me passava pela cabeça várias vezes no ano passado, mas sinto que foi no início deste ano que começou a ter algum impacto em mim. Ao longo do tempo fui começando a seguir youtubers, bloggers e instagrammers que praticam uma cozinha saudável e acho que isso também ajudou a ter alguma consciência daquilo que estava - e estou - a fazer com o meu corpo ao alimentar-me desta forma que conheci toda a minha vida. Quanto mais não seja porque comecei a aprender pequenas coisas aqui e ali graças a estas pessoas, e isso fez-me começar a pensar: quão grande será o mal que estou a fazer?

 

Algumas circunstâncias pessoais também contribuíram para que começasse a pensar mais naquilo que ingerimos e fornecemos ao nosso corpo e não foi preciso muito mais para tomar a decisão definitiva de me reeducar, aos poucos e poucos, no que diz respeito à alimentação e, conforme aquilo que vou aprendendo, modificá-la. Assim, resolvi partilhar com vocês toda essa minha jornada aqui no blog, que, acreditem, será longa e demorada e irá levar anos. Sim, anos. Não pretendo que isto seja uma coisa radical e repentina, pelo contrário, sei que se fizer as coisas dessa forma vou rapidamente desistir. Uma coisa de cada vez - como se diz, passinhos de bebé.

 

Também não se trata propriamente de restrição, mas sim de moderação. O objectivo é aprender sobre aquilo que faz bem ao meu corpo e consumir o máximo possível dessas coisas. Não quer dizer que vá levar uma vida inteira sem nunca mais comer os meus chocolates preferidos da Milka ou da Cadbury porque é só açúcar e fazem um mal terrível. Quem sabe, até poderei não ter mais essas vontades, mas de momento o objectivo não passa mesmo por me restringir de forma extrema e total.

 

Basicamente, o meu primeiro objectivo é adquirir mais conhecimento e modificar a minha relação com a comida. E tal como disse, pretendo partilhar com todos vocês esse meu percurso por esta reeducação alimentar, seja em termos de pensamentos, progresso, ou conhecimentos relevantes que queira transmitir.

 

Apesar de querer levar cada coisa a seu tempo, há algumas mudanças que já comecei a implementar na minha alimentação. Por exemplo, deixei de comer carnes vermelhas. Não ainda totalmente, mas se como uma vez por semana já é muito. Também não me importo de comer se tiver mesmo que ser (em casa de alguém), mas deixou de fazer parte da minha alimentação regular, e noto que quando, por acaso, tenho que comer, já não sinto o mesmo gosto a comer, e já passo bem sem isso. É de referir que aqui em casa nós comíamos carne de porco todos os dias, às vezes nas duas refeições... Por isso é uma mudança enorme e que precisava mesmo de acontecer. Também já troquei a manteiga pelo azeite ou óleo de côco em cozinhados, mas ainda não consegui trocar nas torradas! Deixei de beber refrigerantes às refeições (coisa que bebia em todas...), e passei a beber apenas água.

 

Por outro lado, sei que há algumas coisas que vão ser desafios, por exemplo: não consumir açúcar; não consumir alimentos processados (possivelmente o maior desafio de todos eles, por dois motivos: 1) estou demasiado habituada a comer ao pequeno-almoço/petiscar/lanchar coisas como cereais, bolachas, ou pão com chouriça, presunto, fiambre, etc. (tenho diminuído o consumo dos dois primeiros, mas continuo a adorar tostas mistas); 2) eles estão em todo o lado! Chega a ser ridículo e até assustador.); deixar de consumir manteiga (torradas e tostas mistas); passar a comer exclusivamente alimentos integrais e produtos de agricultura biológica (além do factor "dinheiro", também vivo numa cidade pequena onde a variedade de escolha, apesar de estar a aumentar, ainda não é assim tanta).

 

Enfim, sinto que este post ficou um pouco confuso mas queria introduzir um pouco daquilo que tenho pensado acerca do assunto e de onde quero chegar com esta reeducação alimentar. Achei que seria boa ideia falar um pouco também daquilo que já fiz, e daquilo que acho que será mais difícil para mim, pessoalmente. Espero trazer-vos mais novidades nas próximas publicações do "Comer com consciência" e que me acompanhem nesta jornada que, sim, vai ser um bocadinho dura, mas espero que traga boas coisas a longo prazo!

 

P.S: Na foto estão uns brownies de batata doce e cacau que fiz há cerca de um mês atrás - foi a minha primeira experiência com doces saudáveis e gostei muito. Publiquei-a no instagram onde podem ver também a autora da receita (aqui), que aconselho muito porque ela cria imensas receitas saudáveis e eu estou com vontade de fazer mais!

30 factos sobre mim

Como ainda estamos no início acho que não há nada melhor do que dar-vos a conhecer um pouco mais de mim, incluindo as coisas mais rídiculas que possam pensar. Assim, hoje partilho com vocês 30 factos sobre mim!

 

1. Sou um bocado "picky eater".

 

2. Sou muito preguiçosa. Muito. Mesmo muito.

 

3. Não sei nadar nem andar de bicicleta. Mas ainda gostava de aprender.

 

4. Apesar de não ter animais agora, já tive um gato quando era pequena. Infelizmente, não tenho memórias dele.

 

5. O meu carro de sonho é um Mini. Claro.

 

6. Passei por fases de querer ser tudo e mais alguma coisa quando era criança, mas duas destacaram-se: cabeleireira e estilista. Hoje em dia nenhuma delas me diz nada, apesar de ter um bichinho de querer fazer as minhas próprias roupas (um dia!).

 

7. Nunca saí de Portugal, para minha enorme infelicidade. Mas...

 

8. Já fui à Madeira!

 

9. Quando for velhinha e reformada gostava de ter uma quinta, com a minha própria horta e os meus próprios animais para cuidar.

 

10. Tenho fobia a rãs e sapos.

 

11. Gostava de um dia fazer voluntariado noutro país, tipo Índia ou Tailândia.

 

12.Quero muito viver nos arredores de Lisboa, num sítio com praia, a 10/15 minutos de comboio de Lisboa.

 

13. Mas parte de mim também gostava de viver em Brighton, mesmo que apenas temporariamente.

 

14. Gostava muito de aprender Italiano - entre outras línguas, porque não me quero ficar só por aí.

 

15. As pessoas parecem ficar todas com uma enorme vontade de me esmurrar quando digo isto, mas aqui vai: não gosto assim muito de crianças.

 

16. Gostava de um dia escrever um livro. Não necessariamente publicá-lo, mas apenas escrevê-lo, terminá-lo, criá-lo.

 

17. A minha comida favorita é pizza. Há de todos os tipos e para todos os gostos, como não amar?

 

18. Adoro jogos de tabuleiro.

 

19. Gostava de aprender a tocar piano e saxofone.

 

20. Já aprendi a tocar guitarra. Falo no passado porque não toco há tanto tempo que já não é propriamente a mesma coisa, mas ainda dou uns toques!

 

21. Já dancei hip-hop.

 

22. Quando era adolescente/pré-adolescente escrevi 2 ou 3 histórias com a minha melhor amiga na altura (não contando com todas as outras que estão incompletas). Às vezes é engraçado relê-las porque trazem memórias de tanta coisa (eram baseadas em pessoas reais), e são as típicas histórias de amor adolescentes.

 

23. Aliás, nessa linha, eu costumava escrever e enviar as minhas fanfics para um site brasileiro. Isto também tem que incluir factos vergonhosos, senão não metia piada.

 

24. Só fui a um único concerto (a sério) na minha vida: 30 Seconds to Mars, em 2010. Nada a ver com o meu gosto musical actual, mas foi dos melhores dias (ou noites) que já tive.

 

25. Sou do signo Leão.

 

26. Adoro canecas, faço colecção, e acho que é uma coisa que não falha quando alguém não sabe o que me comprar.

 

27. Há dois filmes que acho adoráveis e que me fazem sempre sentir melhor quando não estou bem: Fantastic Mr. Fox e Frozen.

 

28. Sou daquelas pessoas que detestam quando fazem barulho a comer e quando mascam pastilhas de boca aberta.

 

29. O meu melhor amigo e a pessoa que melhor me conhece é do Brasil.

 

30. Quero seguir pelo ramo da Psicologia Clínica e da Saúde, mas no secundário o que eu mais queria era Psicologia Forense.

 

Aqui estão os meus 30 factos sobre mim. Partilhem comigo qualquer coisa que seja sobre vocês nos comentários, para que possa conhecer um pouco de vocês também!

LIVROS: The Dumb House

2018-02-09 01.47.02 1.jpg

 

Não tenho lido muito nos últimos tempos, em parte por causa da universidade, em parte porque o livro que estou a ler no momento é um pouco extenso e cansativo de ler, em parte porque nenhum outro na minha estante me desperta grande vontade de ler neste momento. Para combater isto, decidi comprar um livro que me chamasse realmente a atenção e me fizesse ler um pouco mais. Assim, o primeiro livro de 2018 e do qual vos venho falar chama-se The Dumb House. Penso que não existe ainda edição portuguesa (pelo menos não consegui encontrar), no entanto algumas pessoas não se importam de ler em inglês e por isso pode interessar-vos! Além do mais, deve chegar com certeza a Portugal, eventualmente, por isso pode sempre ficar em "stand by" na vossa lista para ler. Como não existe em português, aqui fica a sinopse traduzida:

 

O narrador, profundamente perturbado, cria uma variação perversa do mito Persa "Gang Mahal" ou Dumb House, onde bebés são criados em silêncio de modo a descobrir se a linguagem é algo inato ou adquirido. Os seus próprios filhos são bem-sucedidos em desenvolver uma linguagem, para a qual ele tece uma vingança assustadora.

 

Antes de criticar o livro, preciso de criticar a sinopse. Não foi esta a sinopse que li e que me fez querer ler o livro, mas a sinopse que vi também se focava muito na experiência do narrador com as crianças. Focava-se de uma forma ligeiramente mais desenvolvida e que fazia o livro parecer algo de fascinante. Acho que é a primeira vez que me acontece que uma sinopse seja ligeiramente enganadora, que me faça esperar uma coisa diferente da que é. E por isso precisava de vos apontar isto. A minha review deste livro vai estar muito baseada neste "engano". Apesar de ter gostado imenso do livro, estive sempre à espera de algo diferente, por isso tenham isso em mente.

 

O livro fala-nos desta experiência, mas não se foca inteiramente e apenas nela. Na verdade, ela aparece muito para o final. Por esse motivo, estava sempre à espera de chegar a essa parte, até que percebi que havia muito mais no livro do que isso, e que não ia ser o ponto central da história. Sim, este livro fala-nos da experiência do narrador com os seus filhos, mas não é sobre a experiência - é sobre o próprio narrador.

 

A escrita é brilhante. Foi uma das primeiras coisas em que reparei e foi automaticamente uma das principais coisas que me mantiveram "agarrada" ao livro. Como estava à espera de chegar àquilo que achava que ia ser o foco do livro, senti-me muito como se alguém me quisesse contar uma história mas tivesse que me contar todos os detalhes irrelevantes e desnecessários primeiro. Por causa disso, parte de mim sentiu que estava a ser "arrastada" e que o narrador me estava a "enrolar" até começar a falar da experiência. Mas a outra parte queria ouvir e saber todos esses detalhes aparentemente não importantes, porque o narrador mos contava de uma forma tão atractiva que eu só queria saber mais, mais, mais.

 

Os detalhes são todos importantes assim que percebem o verdadeiro foco desta história: a obsessão de um homem perturbado. Recomendo-o sobretudo a pessoas que tenham interesse na linguagem/comunicação em geral, e a estudantes de Psicologia, psicólogos ou pessoas que tenham interesse na área. Como estudante de Psicologia, mal podia esperar para ver como os filhos dele se iam desenvolver. No entanto, claro que qualquer pessoa poderá lê-lo, e espero que gostem tanto como eu, já que devorei o livro por completo. Devo dizer que o livro retrata crueldade animal, abuso sexual e violência no geral, pelo que não o recomendaria a quem seja mais sensível a esses temas.

 

Classificação: ★★★☆☆ (se não dei mais foi porque, mais uma vez, ia com expectativas diferentes)

Sobre Mim

2017-10-19 01.45.54 1-01.jpeg

Bem-vindos ao meu blog! O meu nome é Vera, tenho 25 anos e sou de uma pequena cidade do interior. Sou estudante de Psicologia e estou no 3º ano da licenciatura. Já estudei Cinema por dois anos, no entanto rapidamente percebi que Psicologia era a minha verdadeira paixão e o caminho certo para mim.

 

Adoro gatos, e sou completamente apaixonada por Lisboa e por séries (e vejo um monte delas!). Gosto muito de escrever, e sou uma pessoa bastante introspectiva, sendo essas as principais razões pelas quais este blog nasceu. Sou fã da ideia de self-improvement e de crescimento pessoal; acho que podemos aprender não só com as nossas experiências mas também com os outros, e por isso acredito que temos todos muito que partilhar para nos ajudarmos mutuamente a crescer como pessoas. Criei este blog porque gosto de partilhar os meus pensamentos e reflexões, e porque adoro conversar sobre as coisas que gosto.

 

Este espaço nasceu também porque, apesar de já ter tido imensos blogs, comecei a sentir uma grande vontade de criar algo que fosse meu - realmente meu -, um projecto, algo a que me pudesse dedicar, de corpo e alma.

 

Então, aqui estamos nós! Aqui vão encontrar de tudo um pouco, desde maquilhagem a reflexões pessoais, passando por séries, livros e tudo aquilo do qual eu queira falar! Acima de tudo, o meu objectivo é apenas partilhar, e poder chegar a quem se possa identificar com aquilo que eu partilho. Espero que gostem e que fiquem por cá!

Sobre mim


25 anos, mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde. Apaixonada por Lisboa e por gatos. Introspectiva por natureza e com muitos pensamentos para partilhar!

📖 A ler: The Night Circus (Erin Morgenstern) // Harry Potter and the Order of the Phoenix (J.K. Rowling) // A New Earth: Awakening to Your Life's Purpose (Eckhart Tolle)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D