Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life of a Wonderer

Life of a Wonderer

LIVROS: Still Alice (Ainda Alice)

still alice.jpg

 

Hoje venho partilhar com vocês mais um (excelente) livro, o qual referi nos meus favoritos de Agosto. Já o li há algum tempo, mas não podia deixar de vos falar dele. Até hoje, foi dos livros mais bonitos – da maneira mais triste – que li, dos mais avassaladores, mas também dos mais tocantes.

 

Still Alice (Ainda Alice), de Lisa Genova, conta a história de Alice Howland, uma professora de psicologia em Harvard com uma carreira importante e bem-sucedida. Com os seus 50 anos, Alice recebe o diagnóstico de Alzheimer precoce. A partir daqui, tanto a sua vida como a das pessoas que a rodeiam sofrem uma grande mudança.

 

Este livro é importantíssimo porque, apesar de todos termos uma ideia bastante clara do que é a demência de Alzheimer (e outras) e de como se manifesta, esta história dá-nos um lado que é impossível conhecermos: o lado do doente. Apesar de ser escrito na terceira pessoa, Lisa Genova descreve-nos o decorrer da doença pelos olhos, pensamentos e mente de Alice. E, como se podia esperar de um livro com uma temática tão séria e profunda, Still Alice é uma história desvastadora.

 

É impossível não nos sentirmos destroçados quando percebemos, numa determinada passagem do livro, que Alice esqueceu aquilo em que estava a pensar há dois minutos atrás. Como se o pensamento nunca tivesse existido. É impossível não nos sentirmos destroçados quando Alice descreve o marido como "o homem estranho" porque não sabe mais quem ele é. É impossível não ficarmos perturbados quando ela, perto de casa, não sabe como lá chegar.

 

Não é apenas um livro que descreve o curso da doença; também nos mostra o estigma de que Alice se torna vítima. Antes uma mulher inteligente com uma carreira excepcional, até nas fases iniciais da doença as pessoas a tratavam como se ela não fosse mais capaz de pensar por si própria.

 

Recomendo muito este livro a quem se interessa pelo tema, embora ache, honestamente, que é um daqueles livros que toda a gente devia ler obrigatoriamente, precisamente por nos dar um insight completamente diferente daquele a que estamos habituados!

 

5.JPG

 

LIVROS: A Series of Unfortunate Events (Uma Série de Desgraças)

a series of unfortunate events.jpg

 

Depois de fazer uma review do primeiro livro, e à medida que fui lendo o resto dos livros, percebi que tinha algo a dizer sobre quase todos e, por isso, resolvi antes fazer uma review da série como um todo. E para começar, posso dizer-vos que estou muito, muito apaixonada. A segunda temporada da série da Netflix já me tinha cativado de uma forma que não esperava. Depois disso, tinha algumas expectativas de vir a gostar tanto dos livros como da série de televisão. E as expectativas não só foram cumpridas, como foram superadas!

 

A Series of Unfortunate Events (em português, Uma Série de Desgraças) é então uma série de treze livros que conta a história dos Baudelaire, três irmãos que perdem os pais num incêndio e "saltitam" de guardião em guardião, sendo perseguidos por todos os azares e desgraças que se possam pensar por culpa do Conde Olaf, um homem sinistro que quer roubar-lhes a fortuna que os pais lhes deixaram. Ao longo da série, vão também sendo descobertos cada vez mais segredos sobre a família Baudelaire, que a liga ao Conde Olaf e a todas as outras personagens, e que se tornam o ponto central da história.

 

Sou a primeira a dizê-lo: isto não é uma série para qualquer pessoa. No início, os livros arrastam-se com histórias que parecem a repetição da anterior, e nem toda a gente terá a paciência e persistência para continuar nessa "reciclagem". Há aspectos na história geral que vos vão cativar para lerem o resto, mas esses aspectos só surgem muito mais tarde na série. Por outro lado, o final pode desiludir algumas pessoas que esperavam pelo mais óbvio. Acreditem, acontece tudo menos o mais óbvio.

 

Para quem fica por algo mais além da história e dos mistérios, para quem fica pela escrita cativante, pelas aventuras vividas pelos Baudelaires, pelo desenvolvimento (fenomenal, devo dizer) das personagens, a série é perfeita. É uma série escrita para crianças, mas que agrada tanto a miúdos como graúdos. Aliás, eu diria que "crianças" aqui inclui algo mais juvenil, porque os livros conseguem ser muito sinistros – e vão ficando cada vez mais assombrosos à medida que avançamos na história.

 

A propósito da escrita cativante, não me canso nem nunca me cansarei de dizer que a escrita do Lemony Snicket é formidável. Não importa quantas palavras ele defina ou quantos conceitos explique, não importa o quanto ele se debruce sobre um assunto que na verdade é irrelevante e passe uma página inteira a reflectir nesse mesmo assunto – ele brinca com as palavras de tal forma que é impossível não nos agarrar. E não se deixem enganar, porque até nas definições, explicações e reflexões ele utiliza elementos que tornam a leitura simplesmente divertida – mais uma vez, tanto para crianças como para adultos.

 

Além da escrita e do desenvolvimento de personagens que, como referi, é fenomenal, há outro aspecto na grande maioria destes livros que nos prende: os cenários, onde podem encontrar um cenário diferente em cada livro. Sem recorrer a uma prosa constantemente descritiva, o autor consegue ainda assim criar as ambiências em cada história de forma perfeita e do modo mais claro e, uma vez mais, cativante que se podia pedir.

 

Relativamente aos livros, se tivesse que escolher um top 3 dos meus favoritos, esse top 3 seria:

1. The Penultimate Peril (#12) - Na minha opinião, é a obra-prima de toda a série.

2. The Ersatz Elevator (#6)

3. The Carnivorous Carnival (#8)

 

Conseguem adivinhar o porquê destes dois últimos serem dos meus favoritos? Pois é... cenário!

 

Por outro lado, os meus três livros menos favoritos são, sem dúvida:

1. The Grim Grotto (#11) - Este livro tornou-se um bocadinho o meu ódio de estimação da série.

2. The Miserable Mill (#4) - Pelo que vi no Goodreads, parece ser o menos favorito da maioria das pessoas. Acho que é o mais "infantil" e ingénuo da série, aquele que talvez agrade mais a miúdos do que a graúdos.

3. The Wide Window (#3) - Este encontra-se aqui apenas para preencher o terceiro lugar porque, na verdade, gostei do livro. No entanto, de todos os livros que efectivamente gostei, este está no último lugar.

 

De modo geral, adorei a série e, para vos ser sincera, ainda nem a tinha terminado e já estava a pensar em relê-la. Não o fiz de imediato porque ainda tenho um bocadinho de noção do ridículo e pensei que talvez fosse melhor relê-la quando um pouco mais de tempo passasse. Para aqueles que, no fim, vão querer saber mais, mais, mais: o Lemony Snicket escreveu uns tantos livros que, embora não sejam sobre os irmãos Baudelaire, contêm ainda mais informações sobre todos os mistérios e sobre a famosa sigla (isto para não dar spoiler a ninguém!), entre eles uma série de quatro livros chamada "All The Wrong Questions", um livro com cartas trocadas entre o autor e a Beatrice (personagem muito acarinhada por ele) e, entre outros, uma biografia. É de referir que Lemony Snicket é um pseudónimo do autor Daniel Handler, ou seja, este escritor criou todo um mundinho com todos estes livros contados por uma personagem deste mundo, imaginando até uma vida inteira para o Snicket. Agora digam-me, isto não é a coisa mais criativa e maravilhosa de sempre? É!

 

Recomendo vivamente que dêem uma oportunidade a esta série e até mesmo que se deixem arrastar pelas repetições iniciais; deixem-se guiar pelas aventuras vividas pelos Baudelaire, porque acho que tudo o que referi sobre esta série de livros faz com que valham realmente a pena.

 

4.5.JPG

LIVROS: The Bad Beginning (A Series of Unfortunate Events)

The Bad Beginning.jpg

 

Esta série de livros faz parte da minha lista de livros para ler há anos, no entanto, e conforme algo que parece ter vindo a tornar-se uma regra na minha vida, só depois de ver a série é que fiquei realmente com vontade de os ler. Mais particularmente, depois da segunda temporada, que me conquistou de uma forma que não esperava que conquistasse, de todo. Fiquei tão apaixonada que sabia que tinha que começar a ler os livros, e assim o fiz.

 

A Series of Unfortunate Events (ou em português, Uma Série de Desgraças) é uma série de 13 livros escrita por Lemony Snicket (pseudónimo de Daniel Handler). Toda esta série retrata a série de desgraças e azares pelos quais os Baudelaire – três crianças recentemente orfãs – têm que passar, sendo que cada livro corresponde a cada capítulo diferente das suas vidas, ou seja, a cada azar. Em todos eles, há uma personagem recorrente (Conde Olaf) que é responsável por todas as desgraças que enfrentam e que age com determinados interesses por trás. A julgar pela série de televisão, todos estes azares começam a ser frustrantes pelo quão ignorantes as personagens conseguem ser. Suponho que nos livros não fique muito atrás.

 

The Bad Beginning (Mau Começo) é o primeiro dos treze livros e introduz-nos a morte dos pais dos Baudelaire, que é o que despoleta toda a série de situações azarentas que enfrentam dali em diante. Esta série é para crianças, mas acredito que sejam daqueles livros que podem agradar também a adolescentes e adultos.

 

É uma escrita muito simples e fácil de entender, mas ao mesmo tempo muito cativante. Em determinadas partes, o autor explica o significado de certas palavras ou expressões, não necessariamente como um género de um dicionário, mas sim fazendo a pessoa entender o que aquilo significa na prática e no contexto da história. Além disso, também explica o significado de determinados conceitos (por exemplo, tristeza), por isso acho que é um livro mesmo perfeito para crianças. Contudo, como disse, é daqueles livros que agradam a todas as idades, porque não é de todo infantil. O autor consegue mesmo envolver-nos na história, não só através da escrita, mas até porque muitas vezes se dirige ao próprio leitor. A partir de determinada altura, deixamos de sentir que estamos a ler um livro e passamos a sentir que estamos à beira de uma lareira a escutar activamente o Lemony Snicket contar a história de três crianças orfãs, de chocolate quente na mão.

 

Em termos do próprio conteúdo da história, tendo em conta que gostei muito mais da segunda temporada da série de televisão (e de episódios em particular da mesma), creio que haverão outros livros na série que me farão vibrar mais do que este fez. Ainda assim, cativou-me pela sua forma e pela escrita, e fez-me sentir um carinho especial por uma personagem por quem não senti o mesmo carinho em televisão: a Justice Strauss.

 

Em suma, é um livro muito bem escrito que nos conquista desde logo, não importa qual seja a nossa idade. Além de uma coisa que não falei aqui: as breves dedicações do Lemony Snicket à Beatrice no início dos livros. Se vocês usam ou já usaram regularmente o tumblr, certamente vão saber do que falo, mesmo se não conhecerem os livros. E se não souberem, procurem no google! São tão bonitas e tristes ao mesmo tempo.

 

 

Enfim, finalmente um post sobre um livro! Não consigo ler praticamente nada durante as aulas, mas agora que estou de férias espero poder trazer-vos mais publicações sobre livros que vou lendo. É sempre bom poder ter finalmente tempo para ler!

 

Classificação: ★★★★☆

LIVROS: The Dumb House

2018-02-09 01.47.02 1.jpg

 

Não tenho lido muito nos últimos tempos, em parte por causa da universidade, em parte porque o livro que estou a ler no momento é um pouco extenso e cansativo de ler, em parte porque nenhum outro na minha estante me desperta grande vontade de ler neste momento. Para combater isto, decidi comprar um livro que me chamasse realmente a atenção e me fizesse ler um pouco mais. Assim, o primeiro livro de 2018 e do qual vos venho falar chama-se The Dumb House. Penso que não existe ainda edição portuguesa (pelo menos não consegui encontrar), no entanto algumas pessoas não se importam de ler em inglês e por isso pode interessar-vos! Além do mais, deve chegar com certeza a Portugal, eventualmente, por isso pode sempre ficar em "stand by" na vossa lista para ler. Como não existe em português, aqui fica a sinopse traduzida:

 

O narrador, profundamente perturbado, cria uma variação perversa do mito Persa "Gang Mahal" ou Dumb House, onde bebés são criados em silêncio de modo a descobrir se a linguagem é algo inato ou adquirido. Os seus próprios filhos são bem-sucedidos em desenvolver uma linguagem, para a qual ele tece uma vingança assustadora.

 

Antes de criticar o livro, preciso de criticar a sinopse. Não foi esta a sinopse que li e que me fez querer ler o livro, mas a sinopse que vi também se focava muito na experiência do narrador com as crianças. Focava-se de uma forma ligeiramente mais desenvolvida e que fazia o livro parecer algo de fascinante. Acho que é a primeira vez que me acontece que uma sinopse seja ligeiramente enganadora, que me faça esperar uma coisa diferente da que é. E por isso precisava de vos apontar isto. A minha review deste livro vai estar muito baseada neste "engano". Apesar de ter gostado imenso do livro, estive sempre à espera de algo diferente, por isso tenham isso em mente.

 

O livro fala-nos desta experiência, mas não se foca inteiramente e apenas nela. Na verdade, ela aparece muito para o final. Por esse motivo, estava sempre à espera de chegar a essa parte, até que percebi que havia muito mais no livro do que isso, e que não ia ser o ponto central da história. Sim, este livro fala-nos da experiência do narrador com os seus filhos, mas não é sobre a experiência - é sobre o próprio narrador.

 

A escrita é brilhante. Foi uma das primeiras coisas em que reparei e foi automaticamente uma das principais coisas que me mantiveram "agarrada" ao livro. Como estava à espera de chegar àquilo que achava que ia ser o foco do livro, senti-me muito como se alguém me quisesse contar uma história mas tivesse que me contar todos os detalhes irrelevantes e desnecessários primeiro. Por causa disso, parte de mim sentiu que estava a ser "arrastada" e que o narrador me estava a "enrolar" até começar a falar da experiência. Mas a outra parte queria ouvir e saber todos esses detalhes aparentemente não importantes, porque o narrador mos contava de uma forma tão atractiva que eu só queria saber mais, mais, mais.

 

Os detalhes são todos importantes assim que percebem o verdadeiro foco desta história: a obsessão de um homem perturbado. Recomendo-o sobretudo a pessoas que tenham interesse na linguagem/comunicação em geral, e a estudantes de Psicologia, psicólogos ou pessoas que tenham interesse na área. Como estudante de Psicologia, mal podia esperar para ver como os filhos dele se iam desenvolver. No entanto, claro que qualquer pessoa poderá lê-lo, e espero que gostem tanto como eu, já que devorei o livro por completo. Devo dizer que o livro retrata crueldade animal, abuso sexual e violência no geral, pelo que não o recomendaria a quem seja mais sensível a esses temas.

 

Classificação: ★★★☆☆ (se não dei mais foi porque, mais uma vez, ia com expectativas diferentes)

Sobre mim


25 anos, mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde. Apaixonada por Lisboa e por gatos. Introspectiva por natureza e com muitos pensamentos para partilhar!

📖 A ler: The Night Circus (Erin Morgenstern) // Harry Potter and the Order of the Phoenix (J.K. Rowling) // A New Earth: Awakening to Your Life's Purpose (Eckhart Tolle)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D